>> Textos do Canto Escritores do Canto Infanto-Juvenil O SAPO E O BOI
: starstarstarstarblank
Maria Hilda de J. Alão
O SAPO E O BOIPDFImprimirE-mail
Canto do Escritor -
Qua, 11 de Abril de 2012 08:57
Escrito por Maria Hilda de J. Alão

 

                             - Crianças, hoje nós falaremos sobre fábula. Alguém sabe definir fábula?

- Eu, eu, eu... – gritou Ritinha, a aluna mais aplicada da classe.

- Pode começar. – disse a professora. E a menina começou.

- Fábula é uma pequena história cujos personagens são bichos que agem como gente. – explicou a menina.

- Muito bem! Todo mundo está preparado para ouvir uma história de bicho?

- Sim, professora! – gritou a classe.

- Existiu, há muitos anos, um boi tão bonito que causava inveja a todos os outros bichos. Quando ele saía para um passeio, os outros animais ficavam de boca aberta e comentavam sobre a beleza e elegância dele. Um dia, quando o boi chegou a uma lagoa para beber e admirar sua figura refletida na água, um sapo, muito feio e maltrapilho, ficou parado olhando, como se estivesse hipnotizado, para aquela criatura que mais parecia um deus do Olimpo. O sapo, remoendo uma inveja muito grande, disse ao boi:

- Hum... Pensas que és o maior? Na verdade eu não vejo tanta elegância. Eu serei bem maior e mais elegante do que tu.

Os outros sapos ficaram preocupados quando receberam o convite do invejoso para assistirem a sua transformação. Primeiro ele mandou fazer uma roupa igual a do boi, uma cartola igual a do boi e um sapato igual ao do boi. Com tudo isso pronto ele marchou para a margem da lagoa onde aconteceria a mágica de um sapo ficar elegante e do tamanho do boi. O sapo que seria o juiz já estava a postos. O sapo invejoso perguntou ao juiz:

- Estou vestido igual ao boi?

- Sim, mas o tamanho é de um sapo.

Então o invejoso começou a inchar, a inchar e o juiz a dizer.

- Ainda não está do tamanho do boi.

Inchou mais e mais.

- E agora? Já estou do tamanho do boi?

- Não, falta muito, muito mesmo.

E toca o sapo a inchar.

Os outros sapos, preocupados, disseram que era melhor ele parar ou se daria mal. Mas o invejoso continuou inchando até que sua pele não aguentou e ele explodiu.

- Moral da história, crianças: não queira ser aquilo que você não é. Lembrem-se que nem tudo que é bom para um e bom para outro.

 

11/04/12

 

(histórias que contava para o meu neto)

Comentários (0)
Somente usuários registrados podem comentar!

O(A) escritor(a) Maria Hilda de J. Alão escreve para o Canto do Escritor desde Ter, 21 de Junho de 2011.

Mostrar outros artigos deste autor

Últimos TextosSugestões de Leitura

Você não esta logado.

Acesso ao CE


             |