>> Textos do Canto Escritores do Canto Ensaios Homenagem a minha querida Professora!
: starstarstarblankblank
Pri Beletato
Homenagem a minha querida Professora!PDFImprimirE-mail
Canto do Escritor -
Qui, 14 de Janeiro de 2010 13:55
Escrito por Pri Beletato

O momento em que me alfabetizei foi um momento mágico, um momento cujo tempo passará e, no entanto jamais me esquecerei.

Estava eu na primeira série do ensino fundamental quando meu caminho foi traçado.

Jamais me esquecerei da doce e carinhosa “Tia Celina”, a tão querida professora que fez de mim a apaixonada leitora, escritora e professora que hoje sou.

O que ela fez de especial? Seria mais fácil perguntar o que ela não fez. Com ela aprendi a ler e escrever, e ainda, aprendi o que queria para o meu futuro.

Aprendi com ela a tão complexa tarefa de escrever. Nesse tão esperado momento, Tia Celina vinha com a maior paciência e dedicação, pegava em minha mão e me ensinava o traçado das letras. Com ela aprendi a ler de diversas formas, líamos a cartilha, mas também líamos fora dela. Recordo-me que certa vez fizemos uma apresentação para a escola; era primavera e cada criança tinha em suas mãos uma flor que havíamos confeccionado com cartolina e atrás da flor havia o trecho do texto que cada um deveria ler. Preparamo-nos durante dias, foi tão divertido! E líamos com o maior gosto do mundo.

Tia Celina era tão atenciosa com cada aluno, ela sabia o que cada um era capaz de fazer e nos incentivava a dar o máximo de nós. Lembro-me de uma vez em que estávamos escrevendo frases e ela ao olhar para simples frase que escrevi (não me lembro bem à frase, mas era do tipo “O carro é azul.”) me disse com um doce sorriso: “Pri você pode fazer melhor do que isso.” Ela apagou e eu tornei a escrever, e realmente ela tinha razão, eu podia fazer melhor. Com ela fui descobrindo o quanto ler e escrever era gostoso.

Durante toda a primeira série fizemos várias coisas, entre elas teatrinhos. Recordo-me que Tia Celina costumava dizer que eu um dia poderia ser atriz, pois eu decorava as coisas com grande facilidade, no entanto eu a fazia sorrir lhe dizendo que o que queria mesmo era ser professora.

Eu via na minha tão querida professora o futuro que eu queria para mim. Todos os dias quando eu chegava em casa eu brincava de escolhinha com minhas bonecas fazendo de conta que eu era aquela carinhosa professora.

Anos se passaram, durante todos os anos, no colégio ou na faculdade, sempre me recordei daquela imagem da professora pegando em minha mão e me ensinando a escrever; do seu sorriso doce me dizendo “Você pode fazer melhor do que isso”; e sempre que me perguntavam o que eu queria enquanto profissional eu dizia: “Quero ser como minha professora da primeira série, aquela doce e carinhosa professora que me ensinou que ler escrever não é obrigação, e sim satisfação.

Com o tempo a imagem do rosto da professora se perdeu, eu fazia força para lembrar como ela era, mas não conseguia.

No entanto, houve um momento em que sua lembrança se tornou real. Estava eu no segundo ano de faculdade, fazendo estágio quando fui convidada para um jantar em comemoração ao dia dos professores em meu município. Neste jantar, conversava eu com uma amiga, quando de repente eu a revi, depois de onze anos.  No principio eu não a reconheci, só percebi que era ela quando, surpresa com minha presença, se apresentou e disse que havia dado aula para mim. Não dá pra descrever a sensação que senti! Para contar-lhe que estava me formando para professora foi um grande sacrifício, a voz não saía e eu tremia de tão emocionada que eu estava com sua presença. Jamais eu havia imaginado reencontrar aquela que fora responsável por despertar em mim a vontade de ser professora.

Um ano mais tarde, estava eu em sua sala na secretaria da educação recebendo meu primeiro convite para assumir uma sala de aula. Lembro-me que saí de sua sala com aquele mesmo sorriso de doze anos atrás dizendo: “Boa Sorte”.

Hoje tenho certeza, depois de tudo que vivi que realmente quero ser uma professora tão boa para os meus alunos, como foi para mim a minha querida “professora da primeira série

Comentários (12)
  • Licia Falcão
    avatar
    Nossa, Pri;
    Fiquei emocionada com seu relato. Eu também sou professora e encontro com ex-alunos professores, jornalistas, médicos, enfermeiras, muitos militares, políticos. É uma emoção inigualável. Deus abençoe a eterna tia Celina e a você por essa linda homenagem. Beijos! Licia.
  • Pri Beletato
    avatar
    Sim, Deus abençõe a ela, afinal ela me ensinou a escrever... rsrs
  • beletato  - beletato
    O beletato minha querida beletata netinha tata ou tataravo rsrsrsrsrs nao liiga tá
  • ligiane  - boa professora
    eu acho que vc deve cer uma otima professora!
  • Pri Beletato
    avatar
    espero que sim!!! rs
  • Angel
    avatar
    Pri este seu escrito está ótimo! Sou também professora, mas o reconhecimento do aluno, a lembrança de como você atua em sala de aula é ouro, amiga! Boa sorte sempre! :kiss:
  • Luzia
    avatar
    Pri, tem professores que marcam o nosso caminho. Como você, também tenho boas lembranças de professores, tanto do ensino fundamental quanto médio e superior. É um sentimento muito bom e que pude reviver, lembrando de cada um desses meus queridos professores, ao ler o seu texto. Obrigada. Bjs
  • Pri Beletato
    avatar
    Que bom que gostou. Engrandece-me muito suas palavras
  • lucianemonteiro
    avatar
    Que bela homenagem. E ela te ensinou direitinho. rsrsrs bjs...
  • Anônimo
    :woohoo: :woohoo: :woohoo: :woohoo: :woohoo: :woohoo: :woohoo: <img src=ide:' title=':side:' class='postemoticon' /> :P
  • mulberry sale bags  - mulberry sale bags
    For Fergus rules the brazen cars.Woodshadows floated jimmy choo clutch bag silently by through the morning peace from the stairhead seaward where he gazed. Inshore miu miu online and farther out the mirror of water whitened, spurned by lightshod hurrying feet. White breast of the mulberry sale bags dim sea. The twining stresses, two by two. A hand plucking the harpstrings merging their fake louis vuitton bags twining chords. Wavewhite wedded words shimmering on the dim tide.A cloud began to cover louis vuitton replica bags the sun slowly, shadowing the bay in deeper green. It lay behind him, a bowl of prada bags online bitter waters. Fergus song: I sang it alone in the house, holding down the long dark prada bags discount chords. She was crying in her prada bags 2010 wretched bed. For those words, Stephen: loves bitter mystery.A birdcage hung in the sunny window of her chloe bags house when she was a girl.
Somente usuários registrados podem comentar!

O(A) escritor(a) Pri Beletato escreve para o Canto do Escritor desde Qua, 06 de Janeiro de 2010.

Mostrar outros artigos deste autor

Últimos TextosSugestões de Leitura

Você não esta logado.

Acesso ao CE


             |